Movimento Fashion Revolution: Como fazemos nossa parte

April 27, 2018

O movimento Fashion Revolution nasceu depois de uma tragédia ocorrida em 24 abril de 2013, na cidade de Dhaka, capital de Bangladesh, quando o edifício Rana Plaza desabou deixando 1.133 pessoas mortas e 2.500 feridas. No local, funcionava um complexo fabril que produzia peças em larga escala para grandes marcas de moda ocidental, em condições de trabalho precárias e com quantidade de trabalhadores muito acima da capacidade da estrutura.

 

 

Após o ocorrido, as ativistas e designers Carry Somers e Orsola de Castro criaram o movimento, que tem como objetivo conscientizar consumidores -especialmente de moda- sobre o verdadeiro custo da indústria da moda e do seu real impacto para as pessoas e o meio ambiente, desde a produção até o descarte de produtos têxteis. A proposta também é incentivar a sustentabilidade na indústria fashion, e exigir transparência das marcas por meio do questionamento: “Quem fez minhas roupas”? A campanha ganhou força através das mídias sociais, onde diversos consumidores passaram a fotografar suas peças com a etiquetas a mostra, usando a hashtag #QuemFezMinhasRoupas.

 

Tag de Rastreabilidade

 

Nós acreditamos em uma indústria da moda mais transparente, justa e ética e para tangibilizar esse posicionamento, criamos as tags de rastreabilidade que trazem o nome de quem modelou e produziu as peças, e um QR Code que direciona à uma página contendo todas as informações sobre a composição e processo de fabricação do tecido usado. 

 

 Novas tags de rastreabilidade da Mudha

 

Produção Local

 

Todas as nossas peças são feitas localmente, aqui em Porto Alegre, de forma ética e responsável. Isso faz com que possamos conhecer de perto os envolvidos no processo e seus locais de trabalho, facilitando assim o controle sobre os procedimentos e evitando atividades análogas à escravidão. Apoiamos o comércio justo, e por isso nossos costureiros e modelistas trabalham com dignidade, respeitando seu tempo de produção.

 

Quem faz sua Mudha? 

 

“É meu pai, João Paulo, e minha mãe, Lorena. Eles fazem nossas peças de tecido plano. Meu pai é aposentado e hoje nos ajuda muito, aprendeu tudo com meu vô que era alfaiate e já teve uma confecção familiar. Minha mãe ajuda meu pai, ela começa a produção de todas as peças e meu pai termina e faz o acabamento”, diz Verônica, sócia-proprietária da marca.

 

João Paulo, alfaiate e pai da Vê

 

 Lorena, mãe da Vê

 

Além deles, a Ana, que é costureira há 32, também faz parte da nossa equipe. Ana conta que aprendeu o ofício com a mãe, e desde então a costura tem sido sua fonte de renda. “Trabalhar com a Mudha é muito legal. Muitas coisas nós aprendemos juntas”, diz ela, que é nossa parceira há três coleções. 

 

 Ana Claudia, costureira e modelista

 

Esse ano, a Semana Fashion Revolution será de 23 a 29 de abril, e nós estaremos presentes aqui em POA, no dia 26 de abril (quinta-feira), a partir das 15h, na Unisinos Porto Alegre.

 

Confira a programação completa e venha fazer parte da revolução!

https://bit.ly/2HUElVn

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Do conceito da coleção às peças na arara: conheça nosso processo de criação!

June 24, 2020

1/7
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon